sábado, julho 29, 2006

O FIM DA BONANÇA EM 2008

A maré está boa, mas os países em desenvolvimento devem abrir o olho: até 2008, os EUA podem aumentar bem os juros para atrair capitais - em verdade, as taxas já passaram de 2 para 6% recentemente - e o preço das commodities, de onde as nações empobrecidas tiram os dólares que ora lhes enchem os cofres, deve desabar. Ou seja: a galinha dos ovos de ouro pode morrer de inanição.

O alerta é de Eric Touissaint, economista belga que é referência mundial na luta pelo cancelamento das dívidas dos países do chamado terceiro mundo.

“Nos dois últimos anos, bolsas de valores como a Bovespa também eram muito atrativas, mas os juros mais altos voltaram a atrair os capitais para os EUA, que também fazem todo o possível para reduzir o preço do petróleo e de minerais. Dentro de um ou dois anos, dependendo do valor da taxa de juros nos EUA, a conjuntura mudará radicalmente e países do Sul que parecem estar em boas condições para pagar a dívida voltarão a ter dificuldades. Por isso digo que a gestão atual da dívida está errada, porque não dá conta dessa perspectiva. O que deveria ser feito é aproveitar que os países do Sul têm bastantes reservas para negociar com os credores, porque é melhor negociar quando as condições estão melhores do que quando estiverem ruins”, previu Touissaint em entrevista a Marcel Gomes, do saite www.agenciacartamaior.com.br.

Após a publicação da entrevista, Touissaint enviou a um grupo de amigos brasileiros um email com breve complementação à entrevista. No texto, o belga dá contornos mais graves à projeção de cenários.

“Yo considero que un frente de países endeudados podria decidir una supensión total de pago para imponer una anulación de la deuda apoyandose en una auditoria que demonstrara el carácter nulo de la deuda. Creo que los países endeudados pueden decretar el repudio de la deuda. Sus reservas les permiten además hacer frente a amenazas de represalias.

Respecto al Banco del Sur, pienso que tal institución debe servir a romper con el modelo neoliberal y con el capitalismo. El otro escenario posible, al cual estoy completamente opuesto, seria construir un Banco del Sur para seguir con políticas favorables a las clases capitalistas del Sur.

Con el alto precio de las materias primas, explotaciones mineras que no estaban rentables hasta dos o tres anos, vuelven a ser rentables. Esto provoca une sobre inversión que desembocara sobre una sobreoferta de materias primas, lo que provocara una reducción radical del precio. Esto provocara tremendas dificultades para los países exportadores de materias primas. Lo que habría que hacer para evitar tal situación seria constituir un cartel de países productores de materias primas para controlar la oferta sobre el mercado mundial y imponer precios estables generando ingresos estables que tendrían que ser reinvertidos en modelos de desarrollo endógenos a nivel regional (al nivel de bloques económicos regionales) dentro de un marco de ruptura con el modelo de desarrollo capitalista".

As dificuldades que o setor agroexportador brasileiro vem enfrentando, ao contrário da bonança que encontraram nos anos anteriores, contribuiu para a queda do ex-Ministro da Agricultura Roberto Rodrigues em julho.

A crise internacional que levou às guerras dos EUA no Afeganistão e no Iraque e, mais recentemente, jogou gasolina na decisão de Israel atacar o Líbano, é a mesma que elevou o preço do barril de petróleo a quase 80 dólares (o FMI há quase dois anos fala em um estado de “crise permanente” que elevaria a 103 dólares o barril) e abarrotou os cofres de Hugo Chávez na Venezuela.

Para se ter uma idéia de quanto é boa a situação atual, o plano plurianual de investimentos, elaborado por Caracas há cerca de três anos, garantia folga nos investimentos porque projetava o barril a 30 dólares – apenas 40% do valor atual.

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home